Ciclo de Residências Artísticas APEVT

“UM OLHAR SOBRE O LUGAR”

É sempre outra coisa,
sentir o espaço, ouvir o som da Terra ...
Olhar como quem vê,
desenhar e pintar com confiança e sem Medo ...
Parar sem Tempo e pensar como quem sonha,
fazer do Processo a essência da oficina ...
Um lugar com monsteras fabulosas,
um bastante tempo para ESTAR e ...
RA 2023

Foi uma festa pá! … experimentar técnicas e jogos para fornecer inspiração e libertar a imaginação nas explorações plásticas … despertar da sensibilidade estética para desbloquear a criatividade … evidenciar a importância do percurso e processos da obra do artista, como fonte de inspiração para explorações plásticas criativas. Foi “a caneta do poema dissolvida no sentido primacial do poema …  Ou o poema subindo pela caneta, atravessando seu próprio impulso…” HH

O projeto pretendeu criar momentos de experimentação, partilha e imersão em culturas distintas, aproximados aos pressupostos de uma “Residência Artística”. Marcelo Amorim, refere que um programa de residência artística “é praticamente criar uma fresta, um hiato longe da vida quotidiana ou das expectativas de uma atuação profissional.” As residências propostas são espaços formativos, com uma abordagem em que os participantes partem à descoberta de si e do envolvimento para a criação das suas obras artísticas.

Acreditadas formalmente como Curso formação presencial (15 H), destinadas a professores do 1º, 2º, 3º ciclos e secundário (grupos 110, 240, 530, 600), priorizam os seguintes objetivos :

– Proporcionar momentos de experimentação e partilha, para reflexão e busca de inspirações, de diálogo na procura de novas ideias e de abordagens disciplinares relevantes.

– Experienciar a junção da natureza com a arte e as possibilidades da utilização dos meios da própria natureza para a criação  de obras artísticas.

– Observar o meio envolvente, entre outros caminhos de descoberta, desenhando diretamente elementos físicos do tempo e do lugar.

– Reconhecer o poder expressivo do desenho e valorizar cada estilo individual.

– Experimentar  técnicas e jogos para fornecer inspiração e libertar a imaginação nas explorações plásticas criativas.

O programa constitui-se por três Workshops que interagem entre si:

  • ACD 1. “Land Art” – Criação de Obras de arte com utilização dos meios da própria natureza.
  • ACD 2. “Urban Sketchers” – Desenhos, in situ, que contam a história do que nos rodeia.
  • ACD 3. “Atelier d’Artes” – Meios materiais e técnicos de Expressão Visual.

O ciclo de residências realizou-se nos locais previsto, podendo ver aqui pequenos vídeos do ambiente que os envolveu:

Ponta Delgada: Jardim Botânico José do Canto. Rua José do Canto – Ponta Delgada, 9500-076 S. Miguel.

Realizada em 21 e 22 de outubro,  Açores

Porto: HI Porto – Pousada de Juventude. R. de Paulo da Gama 551, 4169-006 Porto.

Realizada em 11 e 12 de novembro, Porto

Funchal: Casa dos Professores – ASSP. Rua de Santa Maria 242, 9060-291 Funchal.

Realizada em 25 e 26 de novembro, Madeira

Na RAM a APEVT teve oportunidade de apresentar este projeto na RTP Regional 

Lisboa: HI Lisboa Parque das Nações – Pousada de Juventude. Rua de Moscavide 71, 1998-011 Lisboa

Realizada em 02 e 03 de dezembro, Lisboa

 

BIO dos artistas convidados

Acácio de Carvalho Vila Nova de Gaia, Fevereiro de 1952. Curso de Artes Plásticas da Escola Superior de Belas Artes do Porto, 1980; Mestrado em Cenografia (Master of Fine Arts in Scene Design 86/88) pela Universidade de Boston, E.U.A.; Diploma de estudos avançados em Media-Arte Digital no Doutoramento da Universidade Aberta e Universidade do Algarve, com a Tese: “Trompe-L’Oeil – Uma Ilusão Teatral”, em fase de entrega; De 1985 a 2009, Professor Adjunto da E.S.E. do Instituto Politécnico do Porto e co-fundador do Curso Superior de Teatro da ESMAE; Entre 1972/82 trabalha como designer gráfico no Jornal de Notícias do Porto. Mantém a actividade na área do Design Gráfico até hoje com a utilização de vários “software”, como “Adobe Indesign”, “Adobe Photoshop”, “Adobe Illustrator”, entre muitos outros. Participa, desde 1965 numa centena produções de Teatro, (Ópera, Dança e Cinema) como actor, encenador e principalmente como cenógrafo. Participação em inúmeras exposições colectivas.

Alexandra Baptista Formada em Artes Plásticas/ Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, é professora de Artes Visuais na Escola Secundária Antero de Quental em Ponta Delgada. Coordena um projeto cultural no âmbito do Plano Nacional das Artes e é fundadora da Associação Largo dos artistas (ala.) por si presidida. Em 2014 participou no primeiro encontro Urbansketchers (USkPAçores) e integrou desde então o grupo organizador. Passou a publicar – regularmente – nos Blogues Pessoal, Regional e Nacional, tornou-se, concomitantemente, anfitriã do (a)Riscar o Património em São Miguel e foi anfitriã nos Açores, da 1ª edição Sketch Tour Portugal , a desenhar com Jenny Adam numa iniciativa dos USkP/ Turismo de Portugal. Esta experiência valeu-lhe um maior envolvimento com o contexto e apropriação espacial que convoca, diariamente, uma visão ampliada das ilhas, em particular de São Miguel, a ilha que adotou como sua.

André Laranjinha (Lisboa, 1977) vive e trabalha na ilha de São Miguel, Açores. É formado em pintura pela FBAUL e divide a sua actividade profissional entre as artes plásticas, o cinema, a ilustração, as artes gráficas e o ensino. É co-fundador do atelier Alice’s House, juntamente com a designer gráfica Júlia Garcia. É sócio fundador das Oficinas de São Miguel – Associação Cultural

Francesco De Aguilar Madrid 1978.Vive e trabalha em Lisboa. Licenciado em Bellas Artes pela Facultad Complutense de Madrid, em 2004.No seu trabalho plástico estabeleceu o desenho como ferramenta direccional, indagando sobre as  suas múltiplas possibilidades. Ilustrador freelancer, desenvolve regularmente trabalhos em diferentes áreas: como storyboard artist,  draftsman e mock up artist para anúncios publicitários, curtas e longas-metragens. Colabora também como ilustrador no atelier de arquitectura paisagista, Studio Miragoli, com sede  em Ibiza (Espanha). É membro do Grupo do Risco desde 2015.

Hélder Folgado Vive e trabalha no Funchal. Formou-se em Escultura e finalizou o grau de mestre na Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto.A sua prática artística tem vindo a gravitar em torno da geografia humana e dos mecanismos de transmissão cultural e comunitária, explorando e combinando diferentes meios expressivos como o desenho, a escultura, a instalação e a fotografia. Participou em inúmeras exposições individuais e coletivas a nível regional, nacional e internacional. Lecionou workshops de representação em arquitectura de onde resultaram as exposições colectivas Wax: models and Drawings e Reshaping space throw models no curso de Architecture, Art And Planning, da Un.de Cornell, NY, EUA.Paralelamente à sua prática artística é assistente na PORTA33, Associação do Quebra-Costas, programador cultural e diretor artístico da Capela da Boa Viagem – Núcleo difusor de Arte e Cultura Contemporânea, equipamento cultural da Câmara Municipal do Funchal.

João Decq Nasceu em Almada em 1975. Licenciado em comunicação visual com especialidade em ilustração, meios de impressão tradicionais, pela University of Birmingham (ex. University of Central England), Inglaterra 2002. Obteve diploma de estudos avançados pela Universitat Politècnica de València, Espanha 2008. Trabalhou em Caldas da Rainha, onde lecionou na Escola Superior de Artes e Design – Instituto Politécnico de Leiria, desde o ano 2003 até 2020, com a categoria de equiparado a Assistente, tendo sido responsável pela direção da Oficina Gráfica entre os anos de 2009 e 2014. Vive em São Miguel onde desenvolve a sua atividade plástica e gráfica. Expõe regularmente a sua obra, a nível nacional e internacional desde 1999. Tem o seu trabalho representado em inúmeras coleções de interesse público. A prática regular do desenho e da pintura têm acompanhado a sua atividade letiva e de investigação até ao presente.

Leonor Pêgo Licenciada em Escultura pela FBAUL, vive e trabalha em Cascais. Expõe coletiva e individualmente desde 2002. No seu trajeto artístico debruça-se questões relacionadas com a natureza através do desenho, livro de autor, escultura em metais e Land Art. Está representada com escultura Pública no Montijo, nos Açores, e Ameixial. Lecionou Escultura no ARCO- Centro de arte e comunicação visual. Coordenou, em contexto escolar, o ensino artístico e o projeto pedagógico de Ludobiblioteca em escolas públicas de primeiro ciclo do concelho de Cascais onde fez mediação dos espaços e estruturas lúdicas, biblioteca escolar e implementou sistemas de ensino ao ar livre. Concebe e orienta oficinas pedagógicas com diferentes Instituições públicas e privadas. Concebe e orienta formação para professores no âmbito do ensino ao ar livre e da promoção do contacto da criança com a natureza e o brincar livre. Desde 2019 que dinamiza uma Oficina outdoor para crianças dos 2 aos 12 anos e acompanha um grupo de crianças em ensino doméstico em contexto outdoor. Concebe e orienta formação para professores/educadores no âmbito da Arte Natureza e contextos Outdoor.

 Maria Sassetti Nasceu em Lisboa, em 1986. Tem Atelier em Lisboa. Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, prosseguiu a sua formação em Londres, no Chelsea College of Art and Design. Desde 2008, participou em várias exposições, em projectos individuais, colectivos e co autorais, desenvolvendo um corpo de trabalho que debate as condições do espaço, as memórias e narrativas dos lugares, repetições, situações efémeras e de tensão, através da instalação de desenho, luz e objectos. É representada pela Galeria Wadström Tönnheim (Espanha e Suécia) e colabora com a Cisterna Galeria (Portugal). Tem obras em várias colecções públicas e privadas, nacionais e internacionais. Fundou, em 2015, o Atelier Contencioso com o qual participa em intervenções de grande escala no espaço público.

 Miguel Sobral Natural de Setúbal, é licenciado em Artes Plásticas. Vive e trabalha na Madeira, local onde exerce, também, atividade nos serviços educativos do Universo de Memórias João Carlos Abreu (Centro Cívico e Cultural de Santa Clara), no Funchal. Integrou o grupo PorventuraTeatro, no qual desempenhou funções de ator e cenógrafo. Colaborou em produções do Teatro Avesso da Associação Avesso e, mais recentemente, da Associação Teatro Experimental do Funchal (ATEF), também como ator. Desenvolve trabalhos de ilustração, dos quais se destacam os realizados para a coletânea de poesia (De)Corrente, editorial Minerva e a obra infantil “O Mundo Azul da Menina Maçã”, de Rosário Antunes, Chiado Editora. Tem participado em projetos artísticos de natureza diversa sendo a pintura e, particularmente, o desenho as áreas mais exploradas. Participou em diferentes exposições a nível regional, nacional e internacional, tendo sido agraciado com vários prémios.

 Rui Soares Nasceu e vive na Madeira. Licenciado em Artes Plásticas/Pintura, pelo Instituto Superior de Arte e Design da Universidade da Madeira. Professor de Educação Visual no 3º Ciclo. Dinamizador dos grupos “Urban Sketchers Portugal-Madeira” e “Walking Gallery Madeira”. Participou em exposições regionais, nacionais e internacionais desde 1976, utilizando diferentes pseudónimos e tendo sido galardoado com alguns prémios.

Pedro Alves Vive em Torres Vedras e é arquitecto e ilustrador. O desenho sempre foi uma paixão constante e desde a faculdade, começou a desenhar o ambiente urbano para fins académicos. Desenha diariamente na e sobre a cidade de Lisboa sem um fim específico, mas como constante evolução e busca de novas formas de estar e de comunicar. Faz parte do CCC Sketchcrawl Torres Vedras e é um dos coordenadores dos Urban Sketchers Oeste. Formador de desenho convidado para o Simpósio dos Urban Sketchers 2018 no Porto. Aguarelista-Sketcher convidado para instrutor de desenho em vários eventos artistico sem Portugal, Espanha, Brasil, Noruega e Letónia. Arquitecto formado em Planeamento Urbano e Territorial pela FA-UTL em 2007. É Ilustrador de Arquitectura na Broadway Malyan Ltd desde 2015

APEVT 2023