Perfil de Competências para o Século XXI – Contribuições da APEVT


No CUMPRIMENTO DA TAREFA que me foi encomendada enquanto membro do Grupo de Trabalho do Currículo, ME, DOU NOTA a todos do documento enviado referindo a inestimável colaboração do Manuel Porfírio.

Perfil dos jovens de 18 anos / Escolaridade de 12 anos / para o Séc. XXI

Nota prévia:
A intenção deste documento deve ser entendida como um contributo para definir o sentido da proposta a elaborar relativamente às competências, aos valores e aos saberes fundamentais do cidadão do Século XXI que devem estar plasmados no perfil dos jovens portugueses aos 18 anos de idade, após 12 anos de escolaridade.
Mais que uma proposta formulada, com objetivos com ordem taxonómica, trata-se, primordialmente, de estabelecer o quadro sistematizador bem como indicar as opções sociais e pedagógicas subjacentes à elaboração do perfil.
Contexto:
Aprendizagem / formação ao longo da vida; transformações sociais; sociedade de escolhas / dilemática; movimentos sociais de globalização e regionalização: os novos nacionalismos; novas formas de agrupamentos dos estados, mudanças geoestratégicas dos países e estados no mundo; movimentos populacionais intensos de âmbito internacional, regionais e nacionais; mobilidades geográficas, sociais, culturais, novos desafios no âmbito da bioética; mudanças na organização do trabalho, da produção e da economia

Princípios:
Recusar o mercado como referência
Recusar o princípio da rentabilidade social
Focagem no progresso social e desenvolvimento pessoal

Valores:
A paz
A democracia
Direitos humanos
A inclusão
A multiculturalidade
A sustentabilidade ambiental
A solidariedade

Competências/Domínios:
Social e relacional
Literacias funcionais da vida em sociedade
Maturidade emocional e comportamental
Desenvolvimento pessoal
Aprender a aprender- métodos e atitudes cognitivas e afetivas que facilitem a aquisição de novos conhecimentos
Autonomia
Auto gestão / micro marketing pessoal
Flexibilidade /comportamental / social
Desenvolvimento de competências pessoais para vida ativa, para o trabalho e para a carreira profissional
Iniciativa e trabalho autónomo
Trabalho em grupo, cooperação e aprendizagem em comum
Comunicação falada, escrita na língua materna e em línguas estrangeiras
Uso competente das TICs nos diferentes campos da vida social, individual e profissional
Obtenção e processamento da informação
Planificação, definição de objetivos e meios
Auto gestão / micro marketing pessoal
Flexibilidade /comportamental / social
Tomada de decisão
Visão crítica sobre os modos de organização social do trabalho
Participação ativa, crítica e cívica na transformação das relações sociais do trabalho conducentes do desenvolvimento humano e progresso social

Comunicacional e cultural:
Linguagens, áreas do saber, humanístico, artístico, cientifico e tecnológico que contribuam para a: fruição, contemplação e crítica das manifestações artísticas nos seus contextos e o posicionamento crítico face à produção estética e ao seu papel na sociedade contemporânea

Ético / Cívico:
Participação ativa na polis
Escolhas sociais
Participação na vida social comunitária
Posicionamento ético,
Integridade,
Diversidade equidade

CONTRIBUTOS para um quadro de opções sociais e pedagógicas subjacentes à elaboração do perfil nas áreas das Artes e da Tecnologia:
Arte e sociedade (Musica, Drama, Dança, Artes Visuais)
Expressão, comunicação e criatividade
Uso e pensamento e ação criativa e intuitiva
Formas de expressão de valoração do carater multicultural
Interações sociais e culturais / papel facilitador de integração
Iniciativas das artes e as industrias criativas
Processos artísticos: transformação de ideias em obras expressivas; compreensão das artes em contexto
Tecnologia e sociedade
Dimensões sociais, culturais, económicas produtivas e ambientais da tecnologia
Cultura tecnológica: utilizador individual, profissional e social
Natureza e evolução da tecnologia resultante do processo histórico
Impacto da tecnologia na sociedade
Novas tecnologias ao longo da vida
Processos tecnológicos: ações de natureza técnica base do próprio processo tecnológico; criar inventar, transformar, produzir controlar e utilizar produtos e sistemas; processo design (como eixo estruturante das relações de articulação interdisciplinar entre as Artes e a Tecnológica.

Carlos Gomes